26.11.05

Nota melancólica.

Acredito que é interessante discutir nos limites da razão, por se tratar de um território emocional, não intelectual. As análises falham quando a informação se contradiz ou quando os protagonistas adquirem uma estatura tão simbólica que carregam em sí todo o peso de um sistema. É o caso de Pinochet. Nessas circunstâncias, só temos um remédio: confiar nas nossas emoções. Carregamos dentro de nós um modelo autoritário, dominador, que ordena o real, ou antes uma atitude libertária, que o confronta e que progride e se recria na desordem? É apenas uma das perguntas.

Provavelmente nunca vamos saber com exactidão o que ocorreu no Chile. A época não era propícia a análises lúcidas e independentes. Ouve demasiados mortos para podermos ser frios, e há demasiados vivos para podermos ser desinteressados. Mas eu sei com quem estão as minhas emoções. E elas não estão com Pinochet.

3 Comments:

Blogger Claudio Tellez said...

Caro Luis,

Talvez nunca saibamos com profundidade tudo o que aconteceu no Chile. O que devo dizer, sim, é que há que separar os períodos antes de fazer qualquer investigação minimamente séria.

De 1960 a 1970, o Chile passou por um processo onde a violência política preparou o terreno para o que seria governo da Unidade Popular. De 1970 a 1973, ocorreu um forte processo de polarização, era necessário criar uma "luta de classes" e as tensões foram acirradas ao ponto máximo, o que levou a posições exageradas de todos os lados. De 1973 ao final da ditadura, os excessos continuaram mas houve também uma reação que eu arriscaria a dizer "revanchista" de grande parte da sociedade chilena, uma resposta às provocações e aos excessos do período anterior. Finalmente, depois da ditadura até hoje, a posição revanchista inverteu-se (mas sempre mantendo a polarização).

Como eu disse em comentário anterior, os acertos não apagam os erros. O governo militar acertou em vários pontos e errou em muitos outros. Afirmar que a alternativa socialista teria sido melhor ou pior é realizar ficção histórica. O que podemos fazer, sim, de forma analítica, lúcida e independente, é reconstruir o período a partir de fontes da época, que estão disponíveis em jornais, em documentos (como a declaração de inconstitucionalidade do governo de Allende pela Câmara de Deputados), nos discursos e entrevistas do próprio Salvador Allende, etc.

O material está aí, o que falta é boa vontade para trabalhar sobre ele.

Acredito que nunca podemos ser totalmente desinteressados, devemos buscar a objetividade mas sem descuidar de nosso lado emocional, que faz parte de nossa constituição humana. Ao mesmo tempo, devemos procurar impedir que o nosso emocional seja manipulado por quem está a serviço da desinformação e da falsificação histórica. Uma coisa é analisarmos as questões de diferentes pontos-de-vista, outra coisa é fecharmos um dos olhos e privilegiar exclusiva e deliberadamente um lado da análise. O período como um todo, de 1960 ao final da ditadura deve ser visto como parte de um arcabouço maior, chamado Guerra Fria. Houve influência norte-americana no Chile durante a época de Allende? Sim, houve. Mas também houve interferência direta da URSS via Cuba. Acredito que toda a América Latina sofreu os efeitos desse contexto de bipolaridade nos seus processos históricos do período.

Para fazer um contraponto a algumas de suas imagens postadas aqui, colocarei ainda hoje uma foto de Allende no meu blog. Eu também sei com quem estão as minhas emoções, e com certeza não estão com Allende.

Abraços!

1:58 da manhã  
Blogger Luis M. Jorge said...

Claudio,

A sua intervenção teve pelo menos o mérito de me incentivar a recolher mais informação sobre esse assunto. Quanto à Guerra Fria, concordo. Quanto ao papel de Allende, não posso discutir consigo em condições de igualdade. Mas talvez voltemos a este tema daqui a algum tempo. E agradeço-lhe a participação.

10:20 da manhã  
Blogger Claudio Tellez said...

Caro Luis,

Estarei sempre à disposição! Será sempre um prazer conversar sobre esse tema (e outros).

Abraços!
Claudio

3:55 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home