18.11.05

||| Vaidade das vaidades: os mais pedantes da blogosfera.

Inspirado em Francisco José Viegas (um pouco como o monstro se inspirou em Frankenstein) e na sua "Revista de Blogs", dou aqui início a uma pesquisa sobre os blogs mais afectados de Portugal. A missão de escolher, entre dezenas de exemplos admiráveis, os que são realmente pedantes e arrepenicados, não é fácil. Por isso criei uma grelha, que dará a essa tarefa um propósito científico. Para alcançar a categoria honrosa de "bonbonnière da semana", um blogue deve obedecer em simultâneo a estes critérios:

1- Excluir os comentários.
É um sinal de que o autor não deseja ser incomodado, na sua nobre actividade, pela intervenção de gente estranha e opinativa, muito em particular pela gente estranha que o lê. Haverá coisa mais maçadora, para um espirito superior, do que falar com a humanidade e receber dela uma resposta? Na opinião destes senhores, não há.

2- Nunca esquecer um amigo.
O princípio é louvável. Mas a lógica do "petit noyau" tem alguns, pequenos, inconvenientes. É que nessa conversa, entre as piscadelas de olho aos "compagnons de route", as cumplicidades amáveis e os elogios sempre retribuidos, há alguém que fica lá fora: você, leitor.

3- Ser sério.
Goethe dizia, se a memória não me falha, que um homem com os sentidos despertos se rí de quase tudo, enquanto um homem inteligente se ri de quase nada. Os blogs muito auto-conscientes nunca falham: quando não são simplesmente sérios, possuem um humor refinado, que se assemelha ao sussurro do vento entre dois postes de alta tensão - parece inocente, mas inquieta-nos. A corte não ri de sí própria, afirmava um filme francês. O que nos conduz ao quarto critério:

4- Fazer citações.
Há que ser cuidadoso, se o autor do blog não quiser acabar como o João Pereira Coutinho - no Expresso. O importante é que o nível das citações se adeque à formação média do leitor. Para leitores liberais, ou católicos conservadores, o Sousa Tavares basta, desde que seja temperado com um verso de Shakespeare, uma tela de Turner ou uma atriz bonita, doce e morta, como a Audrey Hepburn. Os conservadores adoram gente morta (eu também sou, a esse respeito, conservador). Já a Esquerda é muito mais complicada, porque nunca se põe de acordo, a começar pelas presidenciais. De resto os blogs de esquerda acabam depressa, entre quezílias e abespinhamentos, por isso não sei se algum irá fazer parte da minha lista.

5- Ser ligeiramente desdenhoso.
Eis o traço que distingue um blog insuperavelmente petulante: o talento para transformar palavras em esgares. Aqui o itálico dá sempre jeito. Um tratamento por você, também ajuda. Um pequeno toque de superioridade intelectual, então, é perfeito: "Wikipédia? Você disse Wikipédia ?". Esta é uma qualidade rara, mas tudo se consegue com prática.

No próximo post desta rubrica, vou eleger o blog mais pedante da semana. Até lá, aceito sugestões.