20.12.05

Espírito de Natal.

Um Lisboeta, quando faz compras, transforma-se inevitavelmente em Rei do Universo. Assisti mais uma vez ao fenómeno, que me dá sempre vontade de emigrar. O Chiado parecia a corte de Luis XVI ao início da tarde, com as Fátinhas a carregar sacos da Zara como se fossem ovos Fabergé. Os empregados de escritório, cheios de imponência e solenidade, fingiam negociar acções da General Motors com o seu telemóvel de "terceira geração". Pela pose dir-se-ia que detinham seguradoras em vez de trabalharem numa. Às vezes pergunto como é que o país mais pobre e improdutivo da Europa Ocidental originou estas enjoativas hordas de empertigados. Onde estão as pessoas simples que encontrava na Baixa quando era pequeno? Se calhar não existiam. Talvez a sua presunção estivesse enterrada, como a turfa, à espera de uns fundos comunitários.

3 Comments:

Blogger hidden persuader said...

ahahaha fabulosa descrição das nossas "classes do ócio" passando pelas ruas do Chiado. Thorstein Veblen ficaria orgulhoso :)

12:55 da tarde  
Blogger Luis M. Jorge said...

Caramba, hidden, só me dás trabalho. Agora vou ter de ler esse Trhoteron Vrebglene. Bom Natal para ti.

6:49 da tarde  
Anonymous nemesio said...

Sinto o mesmo.
Quando se chega de Londres ou de Berlim ainda se nota mais toda esta "pose" por tão pouco.Enfim!

10:11 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home