28.12.05

Por falar em traição (I).

Há cerca de dois anos passei alguns dias em Roma, onde visitei a loja de objectos de mármore de Maurizio Grossi, na Via Margutta. Os seus figos, alperces e dióspiros pintados à mão, só se distinguem pelo peso dos que enfeitavam as árvores de fruto dos meus avós. Exibo dois ou três junto à cozinha, para enganar os comensais, e nunca me arrependi do preço absurdo que me custaram. No entanto, o fruto que prefiro não me pertence, como veremos. Sim, refiro-me à maçã.