29.3.06

O meu safari liberiano.

Em 1935 Graham Greene atravessou a Libéria, um país fundado por escravos libertos e intocado pela colonização. A aventura deu origem a um dos melhores livros de viagens que conheço, Journey Without Maps. Pouca gente sabe, no entanto, que existe uma segunda narrativa dessa expedição: Barbara Greene, a prima do escritor, que este refere pelo nome apenas uma vez, a twenty-two-year-old, slightly ditzy, naive, and utterly charming Londoner, a socialite some eight or nine years younger than her dour, somewhat secretive, literary cousin, Graham (podem ler o resto aqui), foi a última pessoa a quem ele podia perguntar, e a única que concordou em acompanhá-lo. A travessia foi um inferno, mas Barbara manteve o seu diário, a partir do qual compôs um livro ao regressar a Inglaterra. Chama-se Too Late To Turn Back. Hoje descobri que há um exemplar em Londres, só para mim.