20.6.06

Decidam-se, por favor.

Se fosse preciso um défice das contas públicas para proteger os velhos, as crianças, os desempregados e os pobrezinhos, Portugal não teria um dos maiores défices da Europa comunitária, ou então, não teria um dos mais elevados índices de pobreza e desigualdade. O descalabro das nossas finanças não é um mal necessário, é apenas um mal. Nem foi originado por qualquer espécie de princípios, mas exactamente pela falta deles.