13.9.06

A escrita diária aproxima-nos a pouco e pouco da vibração de uma cobra que muda de pele. Não é tanto alguma coisa que se descasca, mas que cresce em nós. Tentar surpreender os outros é pueril, quando o nosso próprio demónio acorda em sobressalto.