12.9.06

Mário Soares não é Odete Santos.

Às alminhas mais caceteiras da nossa direita costumam escapar estas subtilezas: Mário Soares, que ontem vi discorrer sobre o 11 de Setembro (de Nova Iorque, não do Chile), recusou-se a alinhar em teorias da conspiração. O que ele fez, foi propor uma outra estratégia para combater o terrorismo: separar os muçulmanos moderados dos radicais, atraindo uns e alienando os outros, em vez de hostilizar todos à bomba, indiscriminadamente. Para defender o seu ponto de vista, Soares formulou uma crítica demolidora da doutrina Bush, sublinhando os seus péssimos resultados, e ainda sugeriu, muito justamente, que os neocons apenas são duros e impiedosos para quem não comeu da mesma gamela: Bin Laden continua a monte. Pelo caminho, Soares conseguiu deixar Pacheco Pereira visivelmente perdido e agastado. As reacções pavlovianas que tenho visto, esta manhã, nos blogs de direita, eram previsíveis: os conservadores portugueses odeiam Soares, como os republicanos na América abominam Clinton. Ambos são demasiado inteligentes, intuitivos e triunfantes. Ambos contrastam excessivamente com Bush ou com José Manuel Fernandes. Finalmente, ambos costumam ter razão. E isso, para os nossos mauricinhos, é uma coisa imperdoável.

12 Comments:

Anonymous Anónimo said...

não deve ter visto o mesmo programa que eu vi. hello marte...

4:29 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

mário soares não é odete santos? mas parece...

4:31 da tarde  
Blogger Luis M. Jorge said...

Como vossas excelências devem vir do insurgente, aviso já que não respondo a anónimos e que apago insultos.

4:33 da tarde  
Blogger Rui Castro said...

Eu não venho do insurgente, mas como o blogue onde escrevo tem pouca audiência suspeito que não tenha direito a comentário de V. Exas. ao post que escrevi hoje de manhã: http://incontinentesverbais.blogspot.com/2006/09/depresso-ps-prs-e-contras.html
Um abraço

4:43 da tarde  
Blogger Luis M. Jorge said...

Quem é o senhor?

4:45 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

por acaso não vinha do insurgente, mas do incontinentes verbais. já agora chamo-me antónio rocha (os dois primeiros posts são meus) e não quero que me responda. juro!

5:02 da tarde  
Blogger Luis M. Jorge said...

"incontinentes verbais"? sim, acho que ouvi falar.

5:10 da tarde  
Blogger Luis M. Jorge said...

há uns dez minutos...

5:15 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Caro Luís M. Jorge, a sua análise é perfeita. Alguns têm dificuldade em perceber, outros não querem- gostam do dedo no gatilho- e outros não podem.

5:49 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

eu tinha dito não ser necessário responder-me. mas, pelos vistos, além de ver também lê mal.

7:06 da tarde  
Blogger Luis M. Jorge said...

Anónimo antipático, decida-se: se não queria a minha resposta, porque é que a veio ler? Desapareça.

7:27 da tarde  
Anonymous Licor Beirao said...

Luis M. Jorge:

Sendo a 1ª vez que consultei o seu blog, digo-lhe, gostei! Partilho o nome do intelectualmente menos próprio que ousou afrontá-lo com a sua estupidez, e toda a gente sabe que a estupidez é a coisa mais perigosa que existe, veja-se o Bush. Estes liberaizinhos são uns coitados. São todos uns liberais estatizantes e de secretária.
Quanto ao JMF, vi-o outro dia a ficar absolutamente estarrecido com o baixinho do PPD, talvez fosse moderador, mas toda a gente sabe no que dão ex-maoistas...

11:02 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home