25.11.06

Liberais à moda antiga.

Hayek e Friedman no reino de Pinochet, chama o João Pinto e Castro ao imperdível digest que publicou no seu blog. Mais uma lição enternecedora sobre o brave new world que Blasfemos & Insurgentes desejam para nós.

Today, Pinochet is under house arrest for his brand of "shock therapy," and Friedman is dead. But the world they helped usher in survives, in increasingly grotesque form. What was considered extreme in Chile in 1975 has now become the norm in the US today: a society where the market defines the totality of human fulfillment, and a government that tortures in the name of freedom.

Links para os posts: I, II, III, IV, V e VI.

3 Comments:

Blogger jcd said...

O João Pinto e Cstro só se esuqeceu de dizer duas ou três coisas de somenos importância.

1. O Chile é hoje uma democracia e é o país mais rico da América Latina e quem conseguiu fazê-lo não foi o golpe de estado mas sim as políticas económicas sugeridas por Friedman.

2. Foi o grande crescimento do Chile e o aumento sustentado do nível de vida da população que permitiram o regresso à democracia. Nenhum povo educado e com estômago cheio aceita as ditaduras.

3. A tragédia da ditadura teve origem numa outra tragédia. Allende. Destruir a economia de um país em 2 anos não é para qualquer um. É preciso ser muito, muito incompetente. Allende conseguiu.

4. Estimam-se em 3000 as vítimas do regime da ditadura de Pinochet, praticamente todas elas ocorridas no perído pós golpe-de-estado. Surpreende-me que morticínios muito maiores de outros regimes considerados por muitos como legítimos e que ao contrário do Chileno, nunca fizeram a transição pacífica para a democracia, não tenham da parte de muitos comentadores de serviço a mesma atitude severa que tem a ditadura Chilena.

5. Friedman só foi chamado ao Chile (por uma fundação privada) dois anos depois do golpe. Note-se que aquilo a que se chamavam Chicago Boys não eram amaericanos, mas sim chilenos formados em Chicago muito antes de Allende ter tomado o poder. Aplicaram os ensinamentos da escola de Chicago. E com que resultados! Os parabéns a Friedman devem ter origem em duas razões. Não só foi o principal responsável (indirecto)pelo sucesso económico do Chile, como pela mudança para a democracia que a que o bem-estar sempre obriga.

12:08 da tarde  
Blogger Joao Galamba said...

Caro JCD,

Pensava que para um liberal a vida e a liberdade humana eram valores absolutos. Pelos vistos há excepções, e as três mil vidas e todo o terror de Pinochet são meios plenamente justificados para atingir o paraiso liberal

2:29 da tarde  
Blogger João Pedro said...

é bom que se recorde que a pobreza extrema que atingia boa parte da população do chile só começou a baixarem meados dos anos 90, isto é, quando os democratas-cristãos já estavam há uns anos no poder e tinham ideias económicas bastante diferentes das dos Chicago Boys.

Quanto aos outros regimes, bem... voltamos à velha história: "ah, mas também havia outros que ainda eram piores". Pois seriam, mas ninguém aqui os está a defender; não é razão para a defesa dos torcionários chilenos, e além disso aqui fala-se de outra coisa.
e não esquecer, claro, as vastas somas de dinheros desviadas por Don Augusto e sua extremosa família. Um exemplo, aquele pobre velho indefeso.

12:19 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home