7.12.06

O inverso de um diário.

Um bom estilo deve sobreviver a todas as emoções. Mas esta plasticidade não está ao alcance de muitos, nem sequer ao alcance de uns poucos durante muito tempo. A maioria de nós concentra os seus recursos em duas ou três emoções mundanas, a raiva e a compaixão por exemplo, ou então procura refúgio em matérias que nos permitam uma escrita didáctica, um discurso cerebral, isto é, um estilo ilusoriamente neutro. Todos conhecemos blogues que se distinguem pelo uso da raiva. Outros, pelo desencanto, que é filho da tristeza. Poucos cultivam a serenidade ou a ternura - comprovando assim a percepção de que a blogosfera é afinal outro veículo para o sofrimento humano. O nosso trabalho mais difícil talvez seja o de escapar à pequena gama de emoções que alimentamos desde cedo e que o público se habituou a reconhecer no que escrevemos. Este é um post de quinze minutos, por isso vou ter de concluir.

7 Comments:

Blogger _Slow_ said...

este post ficou inacabado mas lembrou-me um artigo sobre o modo com as pessoas se representam.
"How people see themselves, Hubert Burda"
http://www.edge.org/3rd_culture/burda06/burda06_index.html
Burda é um importante editor alemão e aqui escreve sobre imagem - começa no séc. XV com um retrato de Jan Van Eyck e vai até um outdoor da Adidas para o Mundial de 2006.
Não sei se hoje estamos mais invisíveis do que no séc. XV, mas certamente que o sentimos com mais horror.

9:19 da manhã  
Blogger MissPearls said...

"O nosso trabalho mais difícil talvez seja o de escapar à pequena gama de emoções"

Escapar não direi. Mas acho que existe uma "arte" ou "estratégia" ou mesmo "estratagema" para contornar as emoções. Dificilmente um blog sobrevive a pieguices sistemáticas. A não ser que tenha algum propósito dirigido a alguém/algum grupo.

Eu acrescentaria alguns aspectos ao seu post. Mas isso, lá está, está relacionado com o homem e com as suas circunstâncias.

Mas se calhar até estou a interpretá-lo mal.

2:15 da tarde  
Blogger Tarzan said...

Genial!

3:32 da tarde  
Blogger Luis M. Jorge said...

Cara Miss Pearls,

Por um lado concordo consigo: existem técnicas de contenção estilística, digamos assim para simplificar. No entanto o meu problema é outro: será que o nosso estilo pode ser tão plástico que inclua um espectro mais vasto do que aquele que os blogues nos costumam dar? Repare na nossa blogosfera: existe o blogger "zangado" (o portugal dos pequeninos por exemplo) o "racional" (vários blogues de análise pollítica) o "festivo" (blogues relacionais, com muitos links e piscadelas de olho), o "inteligente", etc.

Ora isto corresponde a uma especialização que talvez seja confortável para os leitores, mas não deve ser muito confortável para o autor. Eu acredito nos blogues escritos para um público - odeio a estética vaporosa e pedante dos "blogues de autor". Mas creio que eles colocam esse problema: apresentam-nos um retrato de nós mesmos que vamos alimentando de um modo mais ou menos consciente, até já não ser enriquecedor.

Mas, é claro, nessa altura podemos acabar o blogue.


Caro tarzan:

Isso sim, é um comentário interessante.

4:29 da tarde  
Blogger MissPearls said...

O metabloguismo tem que se lhe diga se eu não tivesse que terminar um trabalho.
Mas noto com satisfação que fez um intervalo nas questões do aborto.

5:42 da tarde  
Blogger Tarzan said...

Caro Luis M Jorge,

deixe-me adivinhar, os comentários com os quais não concorda são maus. Certo?

Prontos, eu calo-me.

5:51 da tarde  
Blogger Luis M. Jorge said...

Cara Miss Pearls:

"intervalo" é o termo. Em Janeiro regresso em força.

Caro tarzan:

Vou responder-lhe, que privilégio, em post.

5:59 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home