8.1.07

Está a dar os primeiros passos o meu novo blog. Para alguns leitores, isto é uma despedida. Aos outros, peço que me concedam algum tempo antes de o divulgarem por aí. A todos agradeço as palavras amáveis que me dirigiram.

1.1.07

Resolução de ano novo: mudar.

Não devemos apegar-nos às coisas que construimos. Este Franco Atirador foi uma experiência preciosa, e um sucesso, mas revelou-se desde o início excessivamente reactivo para o meu gosto. Quero escrever textos mais longos, mais lentos, mais tranquilos. Em breve colocarei aqui a morada do meu novo blog. O Franco Atirador morreu. A todos os leitores, muitíssimo obrigado.

Parabéns, "Da Literatura".

Creio que muita gente concordará comigo: o Da Literatura é o melhor blog português. Raros são os dias em que não o leio com um sentimento de antecipação — e isso não é dizer pouco. Espero que o seu terceiro ano de actividade seja tão interessante como os dois que agora se celebram. Aos autores, e ao Eduardo Pitta em particular, feliz aniversário.

Santa paciência.

Ontem à noite, enquanto o país inteiro abria garrafas de champagne e este vosso servidor fumava um Montecristo nº 2 num deslumbrante terraço de Lisboa, o André Azedo Alves abespinhava-se na cave, regurgitando infâmias contra mim e contra o Filipe Moura.

Homem, você não tem amigos? (Como se eu não soubesse a resposta). Vá jantar fora, André; descontraia. Tanto ódio não pode ser saudável — nem mesmo para um membro da Opus Dei.